5.5.14

.a era old but gold e os amores platônicos.

E aí que para a alegria de quem gosta de blogs com aquela pegada roots (das quais não vemos mais tanto por aí, seja lá porque alguém disse pra alguém que post grande, sem imagem, sem tag e sem público não é blog ou porque quem tem blog com essas características não tem blog, tem diário), faceira e que sente saudade daquela época de que blog era um lugar legal pra escrever o que você quisesse, eu digo pra vocês: conheçam o ROTAROOTS

Criado com o objetivo de trazer toda essa época "old but gold", o ROTAROOTS reúne uma galera que sente falta dessa fase saudosista dos blogs pessoais. E além de você conhecer gente que, assim como eu (ou como você! isso não é uma música? rs), continua a tratar seus espaços como blogs para ler, refletir e conversar, contribui também para o incentivo de produção de conteúdo, proporcionando temas pra posts, como "memes", "blogagem coletiva" e as vezes uma "blogagem extra". É bem bacana! E se você ficou interessado, você pode (e deve!) procurar mais informações aqui


Feita as devidas apresentações, explico a segunda parte do título desse post: os amores platônicos. 
#quemnunca Sim, quem nunca teve aquela paixonite aguda em que nem importava tanto se você seria correspondida ou não, o importante era amar, como se não houvesse o amanhã o ser colocado no pedestal? Pois bem, é esse o tema do meme deste mês do ROTAROOTS.

E são esses meus "5 amores platônicos famosos":


5. Shun de Andrômeda 


Olha, eu não sei vocês mas pra mim se apaixonar por desenhos é super normal. hahaha E eu não poderia amar outro desenho que não fosse o Andrômeda. Aquela armadura rosa, aqueles cabelos longos e verdes, aquela delicadeza e sensibilidade... e eu ficava #chatiada em achar que ele poderia gostar de meninos, porque, né? Eu era menina e queria que ele gostasse de mim. 

Na época do colégio, sempre achei os meninos idiotas 
(coisas de colégio, quem já passou por isso sabe, hahaha) e sempre pensava que eles deveriam se inspirar um pouco mais no Shun, assim quem sabe eu não os odiaria tanto. hahah 

4. Bob Burnquist 




Sim. O Bob. Ah, o Bob. 
Eu tinha 14 anos, era apaixonada por skate, ouvia muito hardcore, ia na Galeria do Rock e eu queria namorar o Bob. tinha pôster no quarto e uma pasta onde eu guardava tudo em que ele saía. É, tem gente que tem pasta do Backstreet Boys, eu tinha do Bob Burnquist. Aí eu comprei um skate, comecei a andar e um belo dia tentei dar um flip. Caí, me machuquei feio e fizeram eu arrancar o pôster do quarto.

Mas eu ainda acho o Bob lindo e eu ainda amo skate. 

3. Scarlett Johansson 

Tudo culpa do Woody Allen e do Vicky Cristina Barcelona. Eu já tinha uma certa queda pela Scarlet, mas tudo piorou depois desse filme em que ela contracena com minha diva Penélope Cruz. Depois eu me senti obrigada a assistir todos os filmes em que ela aparecia, e aí iniciou-se um esquema de stalker com a Scarlet. Daí eu descobri que ela também cantava, e aí meu querido, eu duvido que você não vai se apaixonar também.

2. Adam Levine 

Quem me conhece sabe que seria um absurdo ele não estar aqui. Ele é simplesmente o Adam Levine. E não há quem me convença que aquela voz fininha é broxante, que as calças são justas demais ou que ele nunca olharia pra mim, visto que ele só namora modelos da Victoria's Secret. 

Eu não sei como começou esse "crush", por que eu nem amo tanto Maroon 5, mas me obrigo a escutar sempre só pra imaginar ele cantando no meu ouvidinho (#medeixa). Até meu namorado já sabe e nem ciúmes ele sente mais. Hahaha E tem os gifs, né? Que ajudam você a se apaixonar de vez. 

1. Angelina Jolie 

Sim. Angelina. Como não se apaixonar por esta mulher? Me diz! A paixão começou com Hackers e desde então eu nunca mais larguei. Ela também me ensinou o famoso "foda-se o mundo, seja você mesma!" e era o que eu precisava pra entender o mundo. Sempre desejei que ela me pedisse em casamento e me levasse pra casa. Mas ela preferiu o Brad Pitt.  Ah, a Angelina competia com o Bob Burnquist no quesito pôsteres e pastas. Algumas coisas dela eu tenho até hoje. rs
--
Pronto. São esses meus 5 amores platônicos da vida. 
Eu preencheria a lista com mais três (sou dessas), mas termino por aqui pra não ser a chata que fala demais. Termino com a Julieta Venegas, que apesar de não ser um amor platônico, tem uma música fofa sobre isso. 

25.3.14

.ser.


eu escolhi fazer uma escolha. dentro dela vieram milhares de renúncias.
quase ninguém acreditou que fosse dar certo. muitos deram risada, outros me tiraram uma oportunidade e no fundo me deram milhares de outras.

eu continua fazendo escolhas. tendo em mente que minhas prioridades são por excelência melhores que qualquer coisas que tenha que fazer pq me sinto OBRIGADA a fazer. pq muitos acreditam que "é assim que tem que ser, pq se vc for o contrário disso será doloroso". mas óh, doloroso mesmo é vc não ser aquilo que vc é. é fugir de tornar-se. e a gente renuncia nossas vontades, o que somos e queremos todos os dias. desde escolher comer alface querendo comer chocolate a trabalhar num lugar que simplesmente não tem absolutamente nada a ver com você por causa da grana.

grana é importante? porra! se é.
sem grana eu e leo não teríamos como conquistar metade do que QUERÍAMOS conquistar. mas o negócio é: será que 20 calças jeans da calvin klein são mesmo necessárias se sua vontade maior é fazer um mochilão na europa?


bom, eu não sei você, mas depois de trabalhar anos e anos em agências que me trouxeram enxaquecas, gastrites e dinheiro (além da experiência, claro. foi importante passar por cada lugar que trabalhei), eu percebi que é possível acordar às 11h, tomar café ao meio dia, assitir um filme de tarde e trabalhar 4 horas por dia, sendo feliz ou virando a noite pra entregar no prazo meus jobs? oimportante aqui não é ressaltar o quanto trabalho mas sim o quanto eu acho necessário pra render um trabalho incrível. passando por perrengues, óbvio. renunciei muita cervejinha gelada no fds pra ter o que sempre sonhei. que é trabalhar com o que amo, a hora que eu quiser, de onde eu quiser.

quantas vezes eu não morri de crise de cólica e ng no meu trabalho entendeu e simplesmente descontaram no final do mês do meu holerite? é. isso acontece.

mas hoje eu percebi que correr atrás dos sonhos é sim possível. é possível ter qualidade de vida. e é possível ser você. do que precisamos? de coragem. pq felicidade é correr riscos. é ter incertezas. mas é principalemente seguir seus princípios e valores.

é ser.

15.10.13

.das coisas que não são mas são.

"escritora?", disse ele com um sorriso irônico. "escritores escrevem, não? e você não faz isso", essa parte ele não disse, mas foi o que o sorriso significou. era tão mais bonito quando os lábios sorriam de outra forma. sorriam porque amava e não porque sofria.

sim, é possível sofrer sorrindo.
é possível chorar de imensa alegria.

é possível evitar conversas porque elas são demasiadamente complicadas.
é engraçado como a gente luta tanto e tenta encarar as coisas com mais leveza, mas não enxerga que simplicidade não é evitar brigas ou sofrimento. simplicidade é aceitar, compreender, respeitar, entender a necessidade um do outro. o resto... o resto é fuga.

evitar olhar no olho é evitar amar de peito aberto.

e isso, isso eu não quero mais.

11.10.13

.das noites com pés gelados.


Tava frio pra caralho aquele dia. Daqueles que racham a pele mesmo, e quem anda na Avenida Paulista em dias assim ou anda apressado procurando por abrigo ou porque busca a transformação da dor em algo mais físico. E doeu. 

Andar na Paulista em dias assim me lembram ele. E como sua presença me protegia de certa forma, mesmo que não estivéssemos abraçados ou de mãos dadas. 

As vezes, logo após a despedida, sentia uma vontade imensa de ligar pra ele e falar sobre como os casais parecem estranhos quando estão numa mesa de bar, como as pessoas só sabem falar sobre seus trabalhos e como a cidade fica linda quando está vazia. Mas nunca o fiz. Simplesmente porque não sou esse tipo de pessoa. A que liga após um encontro. 

Sei lá, sabe? Cada um leva a vida do jeito que escolheu levar. Não é o que dizem por aí: "a vida é feita de escolhas, saiba conviver com elas"? Pois é. Cada cabeça sua sentença e a minha tá empacada nesta parte em que resolvi jogar de um jeito meio torto, louco e estranho de ficar presa no próprio jogo,  escolher os docinhos errados pra implodir e na hora errada resolver deletar essa merda toda porque "não tem jeito mesmo!".

Eu sempre faço isso e volto a baixar o joguinho de novo. Não vou poder reclamar se por acaso acabar sozinha e pedindo ajuda para os amigos a ~passar de fase~. 

Mas me diz uma coisa, quem me garante que eu poderia  estar melhor? A gente leva a vida que escolheu e ninguém vai me ver responsabilizando ninguém por isso. Porque, meus amigos, agora eu vou deitar nesta minha cama de solteira sozinha, ajeitar meu travesseiro e zapear por todos os canais da minha tv até pegar no sono. Portanto repito, quem me garante que eu podia estar melhor? Então, boa noite!