24.4.09

.das discussões em blogs alheios.

O tema era sobre o novo curso de Ciências Socias na Uninove e sobre o que Florestan Fernandes acharia sobre isso. O texto fala sobre as pessoas que se interessaram pelo curso, sobre quem era e o que fez Florestan Fernandes e também sobre faculdades que pipocam por ai. Interessou-se?! Leia aqui:
' http://xicradecafe.blogspot.com/2009/03/sobre-o-curso-de-ciencias-sociais-na.html ', mas o que me chamou mais atenção foram os comentários, seguem eles abaixo:

  • .lucas disse...
    entendo o que diz, mas talvez esses 24 candidatos são pessoas que não podem pagar uma puc, fespsp ou simplesmente não conseguem entrar na usp, unicamp... não podemos pré-julgar... sei que nem é essa a questão, mas penso assim, se a faculdade custa $99 ou $1999 não importa, o ensino é privado do mesmo jeito. obviamente a tradição da fespsp e da puc contam muito e fazem toda a diferença, mas... é privado.
  • [denise abramo] disse...
    exatamente. é privado, sendo que devia ser público.lucas, não estou pré-julgando ninguém... só pensando em toda essa tragédia... é claro (acho) que uma pessoa que se dispõe a fazer um curso de ciências sociais na uninove não pode pagar uma puc, uma fesp e também não conseguiu entrar na usp. eis a tragédia. os bons cursos não são para os trabalhadores!
  • Taíse disse...
    Acredito que as motivações que levaram essas 24 pessoas a se inscrever no curso de CiSo devem sim ser consideradas, porém, acredito que a questão chave tem a ver com o que motiva uma Faculdade particular a oferecer um curso como o de CiSo por esse preço, já que sabemos da pouca popularidade, apesar do "romantismo alheio" em torno do curso... Penso que seria ótimo se uma Universidade oferecesse um curso de CiSo de qualidade a R$ 99,00 mensais, porém, é quase inaplicável em nossa conjuntura, em que mesmo as públicas têm deixado de lado essa "característica"... Enfim, parece-me que caminhamos para uma "sociedade da supremacia das extatas", ao no que diz respeito à ausência do que pode ser considerado "essencial" nas Ciências Humanas: a capacidade de pensar, criticar e propor uma sociedade diferenciada.
  • [denise abramo] disse...
    pois é, taíse...até onde vai a minha imaginação, o curso de ciências sociais não tem nada a ver com uma universidade shopping-center (com todo o respeito aos que lá estudam), onde o conhecimento é um mero serviço que se compra...os cientistas sociais são em geral uns chatos, que vivem questionando, problematizando, incomodando... pouco úteis ao capitalismo, parece. mas na verdade - fiquei pensando no seu comentário - eu vejo assim por ter uma visão meio romântica da coisa toda.as ciências sociais podem ser usadas pelo sistema DA MESMA FORMA que qualquer outra carreira (veja todos os serviços prestados pelo colega FHC à democracia dos ricos nesse país).e digo mais, os cientistas sociais que mais tem espaço são mesmo os que se adaptam ao status quo, que fazem o servicinho sujo de pensar pela burguesia.vida lôka.
  • [denise abramo] disse...
    ensaio de conclusão:então um curso de ciências sociais na UNINOVE não é tão absurdo assim. só parece. porque na verdade os cientistas sociais da PUC ou da USP podem ser tão tecnicistas e burocratas, reprodutores da ideologia dominante, do que os da UNINOVE. com a diferença de que os da UNINOVE não ficarão a tarde inteira tocando violão e fumando maconha no pátio, porque trabalham...=)
  • Rafa disse...
    sem mais... concordo com o último post da denise.
  • Tempos Modernos disse...
    Oi Dona Xicra,Concordo contigo, menina. Na PUC ou na USP, há muitos professores que apenas reproduzem a ideologia da dominação burguesa.Florestan colocou as coisas mais ou menos assim: existem aqueles que são contra o povo, e são aliados de seus exploradores. E os que defendem os interesses do povo, e colocam-se ao seu lado, na luta contra os exploradores. Enquanto não houver democracia nas universidades (em todas elas), as coisas não mudarão.Pedro.

Pois é, eu sempre fico na dúvida em relação a esses assuntos, nunca consigo compreender o que cada um pensa a respeito. Quer dizer, é sempre muito contraditório, não?! Se eu fizesse Uninove sofreria críticas de quase todas as pessoas que conheço, como sempre acontece quando comento que vou prestar essa faculdade ou similares. Se fizesse Puc também sofreria, mas em compensação seriam críticas com sabor de chocolate meio-amargo, já que são faculdades consideradas de 'alto nível', mesmo sendo particulares. E olha que eu já sofro demais por não fazer nenhuma. rs Na maioria das vezes as pessoas me perguntam: 'Eai, qual faculdade vocês fez/faz?!' e eu sempre respondo: 'Pô, eu não fiz/faço nenhuma.' (não porque não quero, pelo contrário) e então a pessoa me olha com aquela cara de espanto, sabe?Existem milhares de faculdades por ai, eu sei disso, mas conversando com as pessoas acabo sempre ficando na dúvida. Usp é sem chance, já descartei faz tempo ...

Um dia desses fui na Bienal de Design Gráfico, que está acontecendo no Centro Cultural São Paulo, com meu namorado e uma amiga dele (eles estudam no Mackenzie). Depois de olhar os trabalhos e tirar algumas fotos, comecei a conversar com essa amiga, falávamos sobre vestibular, faculdades e em certo momento ela disse: 'Hum, eu nunca havia entrado aqui no CCSP, mas esse lugar não me é estranho. Quando prestei vestibular pra usp/puc/unesp/vunesp/mackenzie (sei lá quais, mas todas 'importantes') foi numa dessas faculdadezinhas. Aah foi naquela ali' - e apontou pra Uninove. E eu disse: 'Aah tá, legal.' Ela continuou: 'Nossa, olha o tamanho desse prédio.' Eu disse: 'É mesmo, grande né? E bonito também.' E então ela disse: 'É. Pena que a faculdade é uma merda!' ... quer dizer, a garota fez cursinho (me parece bastante inteligente), estudou pra caramba, prestou milhares de faculdades públicas, passou em algumas dessas e no final escolheu fazer mackenzie. Veja bem, eu não estou criticando o Mackenzie, porque é sim uma faculdade ótima, de renome, com bibliotecas incríveis e com uma estrutura espetacular (e seu eu pudesse estudaria lá sim), mas eu conheço uns três professores que dão aula lá, que também dão na Uninove. rs A diferença dessas faculdades são o que? Os alunos que estudam nela? Tipo, não vou fazer Unip, Uninove, porque qualquer um passa, mas vou fazer Puc, Mackenzie, Cásper porque apesar de não ser tão dificil passar no vestibular, pelo menos as pessoas se vestem melhor, ou a mensalidade custa 200 reais a mais e isso 'valorizando' a faculdade?!

(????)

Meu namorado, como eu disse, estuda no Mackenzie. Ele é um cara mega inteligente, interessado, esforçado, que tenta, que quer e que será um ótimo publicitário, e não digo isso pelo simples fato dele ser MEU namorado mas porque eu vejo nele o interesse de ser um aluno de verdade, sabe? Ele não está ali pra brincar, pra ir beber num boteco na esquina, ele está ali pra questionar, entender, estudar, saber, dar sua opnião, e eu quase não vejo isso em outros estudantes, até porque ele não é milionário e não tá gastando o dinheiro do papai á toa, ele paga a faculdade, trabalha e é bolsista, nessas condições não dá pra brincar, né? Mas eu sempre vejo milhares de universitários que estão ali por simplesmente estar. Claro que é importante você curtir, sair com os amigos, mas existem momentos pra isso. Uma vez vi um documentário sobre o curso de design que questionava justamente isso, a falta de interesse dos alunos/professores e muito mais das instituições, que sim, são falhas.

No texto do blog .xicradecafe. a moça se refere a essas faculdades, Uninove e afins, como faculdades 'shoppingcenters', mas eu sempre dou uma passada no Mackenzie pra ver meu namorado e não consigo ver nenhuma diferença entre ela e a Uninove. rs

Na Belas Artes então, é estrondoso. Uma amiga minha estuda lá e ela diz que as meninas não repetem as roupas na semana e ela as vezes se sente envergonhada por causa disso. Outra amiga também estuda lá e sofre preconceito com as colegas de classe porque não tem os mesmos padrões que elas. Hahaha, não entendo, mesmo.

Seguindo mais alguns exemplos:

Minha prima estudou na Faculdade Sumaré ... alguém conhece?! Pois é, quase ninguém. rs É uma faculdade pequena, que é facílima de passar e com mensalidades de até $99 reais. Já ouvi muita gente dizer que é uma faculdade ruim, que não traz retorno nenhum, mas olha só, ela se formou, passou no processo seletivo da Porto Seguro, ganha mais de dois mil e quinhentos reais por mês (+ benefícios) e em um ano e meio comprou um carro, e logo mais dará entrada no apêzinho dela. (Y) Detalhe: ela ama o que faz, tem prestígio na empresa e grandes chances de conseguir um cargo melhor e em pouco tempo.

Conheço outro amigo que começou a estudar jornalismo na Unip, concluiu o curso feliz da vida, com a certeza de que iria conseguir trabalhar na área e recebeu milhares de 'nãos' simplesmente por ter se formado na Unip. Isso é triste .... muito triste. Inclusive os professores na faculdade diziam que as chances deles eram poucas, mas que se gostavam e queriam de verdade, pra continuar tentando porque um dia eles conseguiriam. E foi o que ele fez ... construiu seu próprio negócio. É dono de uma revista que fala sobre automóveis e está com um projeto novo, que é a distribuição de um jornal gratuito para universitários, o legal dele é que além de deixar todos informados sobre coisas legais que acontecem na cidade ele também dá a oportunidade de TODOS participarem, inclusive eu que não faço faculdade. Legal, né?

Claro que conheço estórias de pessoas que não conseguiram trabalhar na área por causa da faculdade em que se formou (não só por causa disso), mas essas são a maioria e eu queria muito falar sobre minorias aqui.

Eu entendo que algumas instituições fazem a diferença no currículo, e que algumas empresas só contraram pessoas que fizeram TAL faculdade. Esses dias estava conversando com um amigo, que veio de Recife tentar a vida por aqui, sobre esse assunto e ele me disse que várias pessoas disseram pra ele nem pensar em cursar a Unip porque os caras nem chegam a olhar o currículo quando descobrem que a pessoa se formou numa dessas faculdades 'mixurucas'. E ele se mostrou totalmente indignado, óbvio. Pois pensem bem, isso não é mais uma maneira de continuar com o pré-conceito?! Quer dizer, acredito que tenha um montão de gente interessada, com vontade de estudar, que quer 'ser alguém na vida', mas que infelizmente não tem condições de pagar uma faculdade como a Puc, Mackenzie ou Espm e o que sobra são as faculdades como Uninove, Unip, Fmu. Claro que eu gostaria de fazer uma Cásper ou Puc, mas eu pertenço a classe desfavorecida, sabe? Mas são por essas e outras que acabo ficando com esse receio (idiota!) de cursar uma faculdade com 'precedentes ruins' e acabar sendo mais uma frustrada por simples e mero preconceito.

Daí eu lhe pergunto:

- E agora, José?

... A festa acabou, a luz apagou, o povo sumiu, a noite esfriou, e agora, José? E agora, você? Você que é sem nome, que zomba dos outros, você que faz versos, que ama, protesta? E agora, José? Está sem mulher, está sem discurso, está sem carinho, já não pode beber, já não pode fumar, cuspir já não pode, a noite esfriou, o dia não veio, o bonde não veio, o riso não veio, não veio a utopia e tudo acabou e tudo fugiu e tudo mofou, e agora, José? Sua doce palavra, seu instante de febre, sua gula e jejum, sua biblioteca, sua lavra de ouro, seu terno de vidro, sua incoerência, seu ódio - e agora? Com a chave na mão quer abrir a porta, não existe porta; quer morrer no mar, mas o mar secou; quer ir para Minas, Minas não há mais. José, e agora? ...

[SILÊNCIO]

17.4.09

.dos tipos que aparecem pelos espelhos.

Ando cansada.

Cansada de meus excessos, que transbordam pelos olhos e que caem nos travesseiros. Excessos esses que permeiam meus sonhos, pesadelos, dia e noite. Como um dúvida insistente, procurando respostas em um silêncio visível. Eu li um dia desses, que existe um tipo de gente que ainda acredita nos outros, então percebi que sou uma dessas.Que apesar dos todos, dos tudos e nadas, no fundo do fundo, acredita nos sonhos, no amor, na felicidade, na tristeza, nas lágrimas e muito mais nos sorrisos, sendo eles inteiros ou meios de um meio. Me alegra as brincadeiras, as piadas bobas, o ridículo. Até das fotos turísticas estou repensando os valores. Eu acho que tudo pode sim melhorar da noite para o dia. Daquele tipo que ter as coisas (sejam elas materiais ou não), que quer tocá-las, sentí-las, sê-las. Percebi que sou do tipo que reclama demais, chora demais, fica triste demais, e que mesmo assim tenta driblar o cansaço. Que tenta sorrir a maior parte do tempo, que não conta os minutos, que escreve palavras desconexas e que tenta desviar dos fracassos.

Do tipo que quer e tenta, simples assim, ser ...

15.4.09

.love.love.love.

As pessoas tem sonhos. E sim, eu tenho vários.
Mas alguns sempre considerei inatingíveis.
Um deles era, quem sabe um dia, poder comer um .cupcake. (pra quem não sabe nos e.u.a eles são que nem feijoada aqui no Brasil, arranjam em qlq esquina, rs) e quase não tem aqui no Brasil, até que eu descobri isso:

' http://www.flickr.com/photos/lovecupcakes/sets/72157606630844089/ '

Elas são aqui de Sampa! Iupi ...
Mais um sonho realizado, isso quer dizer ... tô esperando alguém me presentar com um desses. ;)

Rá!

2.4.09

.dos passeios por blogs alheios (1).

As vezes encontramos verdades passeando por ai:

' http://condussao.blogspot.com/2009/03/sobre-o-twitter_6332.html '

Eu nunca gostei muito dessa história de twitter, mas até que pra rir dá pro gasto. rs

1.4.09

.alma.

... isso do medo se acalma.
isso de sede se aplaca.
todo pesar não existe ...




[alma ...]