16.12.09

.hoje.

Não é promessa pra novo ano. Não faz parte de nenhuma lista. Faz parte da vontade que brota aqui, bem de dentro do peito. Eu não quero mais guardar tanta tralha assim dentro de mim. Hoje é um dia para botar pra fora, chorar, gritar, escrever, pensar, falar e pedir perdão ... mesmo que ninguém entenda, mesmo que eu me arrependa, mesmo que eu só pulse isso hoje. Mesmo que a vida me dê um tapa na cara e meu rosto fique vermelho.

Hoje é dia de tomar chuva e fazer confundir a lágrima com gota.
Fazer virar orvalho na minha pele.
Hoje é dia de respirar e inspirar.
Fazer o silêncio virar palavra.

...

11.12.09

'Então me vens e me chega e me invades e me tomas e me pedes e me perdes e te derramas sobre mim com teus olhos sempre fugitivos e abres a boca para libertar novas histórias e outra vez me completo assim, sem urgências, e me concentro inteiro nas coisas que me contas, e assim calado, e assim submisso, te mastigo dentro de mim enquanto me apunhalas com lenta delicadeza.'

Caio F. Abreu (óbvio).

7.12.09

.dos dedos que sentem.

Eu até desejaria escrever mais. Meu corpo pede. Meus dedos sentem ... e a sensação é quase um desespero. Os dedos se contorcem num pânico, parecido com aquele de pessoas que tem fobia por ficarem presos. Como se chama mesmo?

C L A U S T R O F O B I A.

É isso. Essa sensação de estar presa. Dedos atrofiados. É horrivel.
Não sei pra você, mas para as pessoas que sentem necessidade de escrever para não transbordar é mais ou menos essa, sabe?
Se você não consegue me entender, pense por essa forma: do que você precisa, necessita para libertar-se? Quando responder essa pergunta, saberá do fundo do seu íntimo o que sinto neste momento. Mas é como se alguém me empurrasse contra a parede e eu tentasse de qualquer jeito me soltar.

Eu sei lá. Tá tudo tão estranho ... parece que tudo anda, tudo caminha, mas meus olhos estão numa bolha e ela se move mais lento que qualquer coisa ao meu redor. Eu ando no mesmo ritmo que as pessoas, mas meus olhos não acompanham.

Enfim, eu só queria dizer que estou tentando. Por exemplo, este texto tá uma bela merda, mas eu ainda tô aqui, não tô?
E isso me orgulha. Me faz acreditar que ... as coisas vão melhorar. Que os olhos ficarão límpidos novamente.

É doido, mas as coisas mudam tão rápido. Quando você vê a vida já foi, está passando ... o mundo fica girando alucinamente.
O tempo voa e outras 'tantas coisas' permanecem iguais, estáticas e incondicionais.
Feito um membro do corpo que muitas vezes só vem a crescer ...

Olha só, que lhe fique claro uma coisa, eu nunca disse que queria entender. Nada. Mesmo.
Acho que é exatamente por isso Deus me fez assim ... pra só sentir e sentir.

E eu sinto. É o que me resta.

2.12.09

"Minhas feridas estavam cicatrizando. Podia agüentar um pouco de sombra. Imagine se eu pudesse pular abismos para sempre. Talvez depois de um descanso eu pudesse me jogar outra vez da beirada. Talvez. Eu pensava: dê um tempo. Tente se sentir melhor. O mundo inteiro é um saco de merdas se rasgando. Não posso salvá-lo. Sei que nos movemos em direção à miragem, nossas vidas são desperdiçadas, como as de todo mundo. Eu sabia que nove décimos de mim já havia morrido, mas eu guardava o décimo restante como uma arma."

Bukowski